Sermões

Sermão do VI Domingo depois de PentecostesO pecado da murmuração – Parte II

Assim também vós considerai-vos certamente mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor. (Romanos 6, 11) Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém.  Ave Maria… Terminaremos hoje o que iniciamos no último domingo, sobre a detração ou murmuração: a lesão injusta à fama do próximo, quando ele está ausente, com algumas últimas colocações que nos parecem mais capazes de dar bons frutos. É bom termos algumas referências sobre falar de pecados que são públicos. Uma pessoa pode ter um pecado público de três modos: a) Porque foi declarado por um juiz com uma sentença num tribunal, ou porque a própria pessoa confessou que fez aquilo; b) Porque a pessoa fez algo diante de tantas pessoas que não é mais possível esconder; c) Quando a fama da coisa feita já se espalhou para muitas pessoas, uma grande parte da comunidade…

Sermão do V Domingo depois de PentecostesO pecado da murmuração – Parte I

Refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano. (1 S. Pedro 3, 9-10) [Imagem: Suzana sendo caluniada pelos dois anciãos] Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… A Epístola e o Evangelho da missa de hoje nos permitem tratar dos pecados que se comentem falando mal dos outros, e nos referimos aqui mais exatamente à detração ou murmuração (estes são os termos precisos para esse pecado): a lesão injusta à fama do próximo, quando ele está ausente. Injusta, porque com causa justa é permitido manifestar a culpa do próximo. No breve tempo que temos aqui não é possível tratar de modo completo sobre a detração. Tentaremos ver alguns pontos que sejam frutuosos, hoje e no próximo sermão. No mais, se alguém tem alguma dúvida sobre o que é permitido ou não, e se é grave ou leve,…

Sermão do IV Domingo depois de PentecostesPor ocasião de uma primeira comunhão

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… Jonas, hoje você irá receber o próprio Jesus Cristo na hóstia consagrada, Jesus Cristo em pessoa. Recebendo a hóstia, você não receberá uma coisa sagrada. Você receberá uma pessoa sagrada. Você vai receber Nosso Senhor Jesus Cristo, com seu Corpo, Sangue, Alma e Divindade. Você vai receber Nosso Senhor Jesus Cristo, que é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem. Você vai receber Jesus Cristo, que passou a vida dEle fazendo o bem. Você vai receber o próprio Deus, criador de todas as coisas, do céu e da terra, dos anjos, dos minerais, das plantas, dos animais, dos planetas, dos homens: criador de tudo o que existe. Que graça enorme e que bondade enorme a de Nosso Senhor Jesus Cristo: se entregar a você na Eucaristia para que você possa se salvar. Você sabe muito bem que aquilo que você…

Sermão do III Dom após Pentecostes 2017O combate contínuo contra o demônio

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém. Hoje lemos a bela passagem de São Pedro que os religiosos rezam antes de dormir: “Sobrii estote et vigilate”, isto é, sejais sóbrios e vigiais, pois o demônio ronda como um leão buscando quem devorar. Sobriedade aqui entendida não só em relação à bebida alcóolica, mas à temperança em tudo o que usamos. Essa sobriedade é a mãe da vigilância, tanto do ponto de vista material como espiritual, ao passo que a gula é a mãe da sonolência e da desatenção. É através da sobriedade no uso das criaturas que o homem religioso adquirirá a saúde, a sabedoria e a castidade, caso contrário cairá nos excessos que levam à doença, à tolice e à impureza. E o que distingue profundamente o estado de sobriedade do estado de ebriedade? É a razão. No primeiro, o homem tem o controle…

Sermão da Festa da Santíssima TrindadeO mistério da Santíssima Trindade, a vida de oração e a fecundidade da Igreja

Bendita seja a Santíssima Trindade. (Introito da Missa, na Festa da Santíssima Trindade) Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… Se formos consultar o que os Padres da Igreja e os antigos teólogos pensam do dogma da Santíssima Trindade, eles dirão que embora seja uma verdade muito obscura, ela tem máxima importância. Nas palavras de Santo Hilário, que foi bispo de Poitier, na França, “este mistério é conhecido pela Igreja, não é aceito pela Sinagoga, é ignorado pelos filósofos” (De Trinitate, l. VIII). É a verdade fundamental que nos discerne dos judeus e dos pagãos. Nossa inteligência criada, com suas próprias forças, é absolutamente incapaz de conhecer este mistério, que é essencialmente sobrenatural e, sem uma revelação de Deus, nunca teríamos o conhecimento explícito da vida interior de Deus, tal como ela é em si mesma. É o caso, então, de nos…

Sermão da Festa de PentecostesO Espírito Santo como alma da Igreja

E veio do céu um estrondo semelhante ao de um vento violento: e ele encheu toda a casa onde estavam sentados. (Atos dos Apóstolos II, 2) Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… A festa de Pentecostes é, depois do Domingo de Páscoa, a maior festa que temos na Igreja. Por isso a solenizamos tanto. Toda esta grandeza que vemos manifesta a importância da festa de hoje. Mas para a compreendermos é preciso dirigir nossa inteligência para contemplarmos um pouco a ação do Espírito Santo na Igreja, fundada pessoalmente por Cristo. Antes de subir ao Céu, Nosso Senhor prometeu a seu discípulos que rogaria ao Pai para que recebessem o Espírito Santo. E agora, depois da leitura de hoje, sabemos com que abundância ele foi dado aos apóstolos. Hoje o Espírito Santo tomou posse da Igreja a tal ponto que dizemos que…

Sermão da Solenidade da AscensãoA união com Deus no Céu

E as portas da cidade serão conforme os nomes das tribos de Israel; três portas para o norte: a porta de Rúben uma, a porta de Judá outra, a porta de Levi outra. (Ezequiel 48, 31) Em nome do Pai, e do Filho, + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… Quando comemoramos a Ascensão de Nosso Senhor, é claro que o assunto mais adequado de nosso sermão só pode ser o Céu. E no livro do Apocalipse está escrito que Deus mostrou a São João Apóstolo uma visão do Céu, da Jerusalém celeste. Ela tinha uma muralha de quatro lados, e três portas em cada lado da muralha, e em cada uma das portas estava escrito o nome de uma das tribos de Israel: “E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das…

Sermão do IV Domingo depois da PáscoaA importância do estudo para o católico

Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes. (S. Tiago 1, 17) Uma das coisas que os padres devem ensinar aos fiéis nos seus sermões é de que, a todo custo, não se afastem da luz natural da razão. Deus deu ao homem a capacidade de conhecer a verdade, e essa capacidade natural, com a qual todo homem nasce, é chamada de inteligência. Ela tem, em si mesma, naturalmente, a capacidade de conhecer a verdade sobre as coisas, e ela fica incomodada, por assim dizer, quando fica diante de algo incoerente, contraditório, absurdo. Como São João diz no começo do seu Evangelho, Deus ilumina todo homem que vem neste mundo. Ele ilumina todo homem, cada um de nós, de três modos: 1. pela capacidade natural da inteligência de conhecer a verdade, pelo estudo, pela reflexão, pela contemplação; 2. pelas verdades…

Sermão do III Domingo depois da PáscoaA eficácia do bom exemplo

A vontade de Deus é a de que, fazendo o bem, façais calar a ignorância dos homens imprudentes. (1 S. Pedro 2, 15) Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… Hoje a epístola abre uma brecha para considerarmos um pouco o valor e a eficácia do bom exemplo, e entender porque o bom exemplo que damos tem grande peso diante dos outros, e os ajuda muito. No I Domingo depois da Páscoa elogiei o bom exemplo que vocês, mais novos, têm dado. Vale a pena que vocês entendam a importância de dá-lo. A vontade só pode querer o bem que conhecemos. Não é possível querer fazer o bem sem saber que ele existe, que bem é esse, etc. A finalidade de ensinar os outros é a de lhes fazer conhecer o bem, para que eles tenham condições de querer fazê-lo depois. Entretanto,…

Sermão do Domingo do Bom PastorFugir dos Mercenários (II Domingo de Páscoa)

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém. Hoje é o Domingo do Bom Pastor, festa de 1ª classe para os membros do Instituto do Bom Pastor e neste ano a Santa Sé nos concedeu uma indulgência plenária para quem assistir piedosamente uma liturgia do IBP e, além das condições ordinárias, rezar hoje um Pai Nosso, Ave Maria e Credo, o que faremos após o canto final de Regina Caeli. No Evangelho que lemos, Cristo diferencia o bom pastor do mercenário, pois em certos casos parecem agir de modo igual, mas nos momentos cruciais, vemos quem é de fato bom pastor e quem é mercenário. Quando o lobo ameaça as ovelhas, o bom pastor o enfrenta, enquanto que o mercenário foge. O bom pastor busca as ovelhas que estão fora do rebanho para uní-las de novo sob seu pastoreio. As ovelhas sabem distinguir o bom pastor…

Navigate