Sermões

Sermão do XIV Domingo depois de PentecostesA compreensão na educação dos filhos

Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… Pretendíamos falar da educação que os pais devem dar aos filhos em relação à recepção dos sacramentos. Porém, nos pareceu melhor abordar hoje um fator extremamente importante na educação deles: a compreensão. Não somente é uma necessidade, mas é uma obrigação, que os pais conheçam as situações “estranhas” pelas quais os seus filhos passarão. E aqui entra  o papel da compreensão na educação dos filhos. Com a aproximação da puberdade, será necessário que os pais tratem os filhos de um modo diferente de como as crianças devem ser tratadas. A puberdade é este período da vida onde alguém se torna apto à gerar outra pessoa. Santo Tomás, ao explicar sobre as capacidades dos seres vivos, deixa muito claro que um ser vivo chega a sua perfeição quando ele se torna capaz de produzir outro ser…

Sermão do XII Domingo depois de PentecostesA lei natural na educação dos filhos

Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… Não há filho tão bom que não corra perigo de degenerar, nem tão mau que não possa se corrigir. É possível que tantos pais possam dizer: “Não podemos com ele”. Entretanto, isso se dá não porque o filho seja incorrigível, mas por falha dos pais (de conhecimento, de fraqueza, no uso de meios inadequados, etc.). A maioria dos pais e mães ficaria espantada se recebessem a seguinte pergunta: “Qual é o programa de vocês em relação à educação dos seus filhos?”. Por programa não estamos falando de metas quinquenais, ou algo semelhante, mas uma ideia claramente concebida, um projeto bem determinado, uma finalidade a qual se quer chegar e os meios adequados para isso. Quaisquer sócios que formassem uma empresa, jamais o fariam sem ter certeza do que devem fazer, nem a colaboração que cada…

Sermão do X Domingo depois de PentecostesA finalidade da educação dos filhos

Em nome do Pai, e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… O Instituto do Bom Pastor deseja a todos os pais uma feliz festa no dia de hoje e, aproveitando-a, gostaríamos de iniciar hoje, e de continuar por alguns domingos, alguns sermões sobre aqueles princípios que devem guiar os pais na educação dos filhos, fazendo juntamente algumas aplicações concretas e, com isso, dissipar algumas imperfeições que possam existir, seja nas inteligências, que podem acabar tendo uma ideia errada do que seja educar os filhos, seja na prática concreta dessa educação, em cada família em particular. É evidente que os padres, mesmo não sendo casados, nem tendo filhos, são capazes de dar orientações extremamente úteis nessa questão. Primeiramente, porque qualquer sacerdote nasceu em uma família, foi educado pelos seus pais, e teve uma experiência pessoal nessa questão. Em segundo lugar, qualquer sacerdote é capaz de observar outros…

Sermão da Festa da Transfiguração de Nosso Senhor

Jesus tomou consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte. (S. Mateus XVII, 1) [Este sermão é copiado, quase na sua totalidade, de algumas páginas do livro “As três idades da vida interior”, do Pe. Réginald Garrigou-Lagrange, OP] Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… A diversidade de temperamentos, de caracteres, de fisionomias espirituais na Igreja, é, muitas vezes, uma ocasião de sofrimentos salutares, mas também, ai de nós, de falta de caridade, de irritação, de impaciência, de julgamentos temerários. Na nossa estreiteza, gostaríamos que todas as almas fossem absolutamente iguais, tivessem o mesmo atrativo dominante que nós. Graças a Deus, isto não é assim. A harmonia da Igreja, inclusive a das Ordens Religiosas e mesmo das comunidades, exigem uma certa diversidade. São Bento, São Domingos, São Francisco, Santo Inácio, Santa Teresa,…

Conselhos a um neo-sacerdote

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém. Pe. Marcos, nessa sua missa solene de neo-sacerdote, podemos com razão lembrar alguns princípios básicos do sacerdócio que agora possui como marca indelével na alma. Antes de mais nada, ser padre, isto é, ser sacerdote, é ser “aquele que sacrifica”. Em primeiro lugar na vida do padre deve estar o sacrifício, o sacrifício da Cruz, isto é, “a Santa Missa”, e também o sacrifício de si mesmo em busca do bem das almas. Por ter feito um dos poucos seminários católicos que existem atualmente, você não terá desculpas de ignorar qual é o seu dever e quais os meios de que dispõe. Sabe que ser padre não é ser um agitador político, nem um assistente social, nem um cantor, ou, pior ainda, um padre “paz-e-amor” que “ama” a todos e não condena ninguém estando sempre de acordo com…

Sermão do VI Domingo depois de PentecostesO pecado da murmuração – Parte II

Assim também vós considerai-vos certamente mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor. (Romanos 6, 11) Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém.  Ave Maria… Terminaremos hoje o que iniciamos no último domingo, sobre a detração ou murmuração: a lesão injusta à fama do próximo, quando ele está ausente, com algumas últimas colocações que nos parecem mais capazes de dar bons frutos. É bom termos algumas referências sobre falar de pecados que são públicos. Uma pessoa pode ter um pecado público de três modos: a) Porque foi declarado por um juiz com uma sentença num tribunal, ou porque a própria pessoa confessou que fez aquilo; b) Porque a pessoa fez algo diante de tantas pessoas que não é mais possível esconder; c) Quando a fama da coisa feita já se espalhou para muitas pessoas, uma grande parte da comunidade…

Sermão do V Domingo depois de PentecostesO pecado da murmuração – Parte I

Refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano. (1 S. Pedro 3, 9-10) [Imagem: Suzana sendo caluniada pelos dois anciãos] Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… A Epístola e o Evangelho da missa de hoje nos permitem tratar dos pecados que se comentem falando mal dos outros, e nos referimos aqui mais exatamente à detração ou murmuração (estes são os termos precisos para esse pecado): a lesão injusta à fama do próximo, quando ele está ausente. Injusta, porque com causa justa é permitido manifestar a culpa do próximo. No breve tempo que temos aqui não é possível tratar de modo completo sobre a detração. Tentaremos ver alguns pontos que sejam frutuosos, hoje e no próximo sermão. No mais, se alguém tem alguma dúvida sobre o que é permitido ou não, e se é grave ou leve,…

Sermão do IV Domingo depois de PentecostesPor ocasião de uma primeira comunhão

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… Jonas, hoje você irá receber o próprio Jesus Cristo na hóstia consagrada, Jesus Cristo em pessoa. Recebendo a hóstia, você não receberá uma coisa sagrada. Você receberá uma pessoa sagrada. Você vai receber Nosso Senhor Jesus Cristo, com seu Corpo, Sangue, Alma e Divindade. Você vai receber Nosso Senhor Jesus Cristo, que é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem. Você vai receber Jesus Cristo, que passou a vida dEle fazendo o bem. Você vai receber o próprio Deus, criador de todas as coisas, do céu e da terra, dos anjos, dos minerais, das plantas, dos animais, dos planetas, dos homens: criador de tudo o que existe. Que graça enorme e que bondade enorme a de Nosso Senhor Jesus Cristo: se entregar a você na Eucaristia para que você possa se salvar. Você sabe muito bem que aquilo que você…

Sermão do III Dom após Pentecostes 2017O combate contínuo contra o demônio

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém. Hoje lemos a bela passagem de São Pedro que os religiosos rezam antes de dormir: “Sobrii estote et vigilate”, isto é, sejais sóbrios e vigiais, pois o demônio ronda como um leão buscando quem devorar. Sobriedade aqui entendida não só em relação à bebida alcóolica, mas à temperança em tudo o que usamos. Essa sobriedade é a mãe da vigilância, tanto do ponto de vista material como espiritual, ao passo que a gula é a mãe da sonolência e da desatenção. É através da sobriedade no uso das criaturas que o homem religioso adquirirá a saúde, a sabedoria e a castidade, caso contrário cairá nos excessos que levam à doença, à tolice e à impureza. E o que distingue profundamente o estado de sobriedade do estado de ebriedade? É a razão. No primeiro, o homem tem o controle…

Sermão da Festa da Santíssima TrindadeO mistério da Santíssima Trindade, a vida de oração e a fecundidade da Igreja

Bendita seja a Santíssima Trindade. (Introito da Missa, na Festa da Santíssima Trindade) Em nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo. Amém. Ave Maria… Se formos consultar o que os Padres da Igreja e os antigos teólogos pensam do dogma da Santíssima Trindade, eles dirão que embora seja uma verdade muito obscura, ela tem máxima importância. Nas palavras de Santo Hilário, que foi bispo de Poitier, na França, “este mistério é conhecido pela Igreja, não é aceito pela Sinagoga, é ignorado pelos filósofos” (De Trinitate, l. VIII). É a verdade fundamental que nos discerne dos judeus e dos pagãos. Nossa inteligência criada, com suas próprias forças, é absolutamente incapaz de conhecer este mistério, que é essencialmente sobrenatural e, sem uma revelação de Deus, nunca teríamos o conhecimento explícito da vida interior de Deus, tal como ela é em si mesma. É o caso, então, de nos…

Navigate